Atrações, Nova York, Parques

Bryant Park em NYC

O Bryant Park é definitivamente o nosso local predileto em NYC. E olha que tem tanta coisa legal na cidade, que assumir o posto de preferido não é fácil. Em virtude desse nosso amor, prepare-se para um post recheado de fotos (todas as vezes que vamos à NYC, damos uma passadinha por lá)!

É um parque pequeno, localizado atrás da Biblioteca Pública de Nova York (New York Public Library), em Midtown. O parque fica entre a 40th e a 42nd Streets e a Fifth e a Sixth Avenues. Uma região bastante turística, bem perto da Times Square, então é bem fácil chegar lá. De metrô, a estação mais perto é a 42nd St, da linha laranja. Mas as linhas vermelha, verde e roxa também levam até a proximidade, afinal, o parque fica no coração de Manhattan.

A Planta do Bryant Park.
A Planta do Bryant Park.

O lugar é uma delícia, com muuuitas mesas e cadeiras para você sentar e relaxar. O Bryant atrai muitos moradores, que nos dias de semana aproveitam para almoçar ali mesmo. Compram uma refeição pelos arredores e levam para o parque. Outros ainda vão ao restaurante Bryant Park Grill ou ao Bryant Park Café. Também há muita gente lendo, jogando conversa fora ou usando seus celulares/notebooks, pois o parque tem wi-fi grátis (e é muito bom, por sinal!).

A New York Public Library, na frente do Bryant Park. (Ainda faremos um post inteirinho sobre ela!)
A New York Public Library, na frente do Bryant Park. (Ainda faremos um post inteirinho sobre ela!)
Mesinhas no Bryant Park.
Mesinhas no Bryant Park.
Bryant Park.
Bryant Park.
Como não amar o contraste dos prédios nova-iorquinos e do verde desse parque?
Como não amar o contraste dos prédios nova-iorquinos e do verde desse parque?

Mas nem sempre essa região foi tão atrativa. Nas primeiras décadas do século XIX, mais especificamente em 1823, o terreno que já era público, mas não tinha utilidade, virou um cemitério para pobres ou indigentes. Quase 20 anos depois, o governo mudou de ideia e transferiu todos os corpos para outro local. Aí, criaram oficialmente o Bryant Park, em 1847. Durante mais de 10 anos, foi um espaço de exposições artísticas e culturais. Porém, na década de 1860, teve início a Guerra Civil Americana, e o parque passou a ser utilizado para treinamentos militares. Com o fim da guerra, passou anos abandonado. Foi só no final do século que o parque voltou à atenção do governo, que decidiu iniciar ali, em 1899, a construção da New York Public Library. Apesar da instalação da biblioteca, o parque em si continuou negligenciado. Nos anos 1930, o governo construiu a linha laranja do metrô no local e destruiu boa parte do parque (só sobrou a biblioteca). A região virou ambiente propício para a criminalidade e o uso de drogas. Por décadas, moradores e turistas evitaram passam por ali.

Já nos anos de 1980, os nova-iorquinos se conscientizaram que era hora de revitalizar o parque, afinal ele ficava na região central de Manhattan, em um terreno valorizado e muito próximo de grandes empresas e atrações turísticas. Foi aí que a comunidade se uniu, buscou profissionais para elaborar um novo projeto para o parque, que contivesse espaço para atividades de entretenimento, cafés, restaurantes, espaços para leitura, novo paisagismo… Foi criada uma entidade privada para fazer a segurança do local, e outra para arrecadar fundos para sua reforma. A área foi completamente fechada em 1988, para a obra. Todo o espaço foi escavado, onde construíram abaixo do nível do solo, os arquivos da biblioteca, e acima do solo, o novo Bryant Park. Ele foi reaberto em 1992. A mudança foi tão brusca, o espaço se tornou tão limpo, organizado e seguro, que todos consideraram aquilo como um milagre, o melhor exemplo de renovação urbana da cidade de NYC.

Mas, afinal, o que dá pra fazer no Bryant Park, além de sentar e relaxar?

Para cada estação do ano, há diferentes atrações. No inverno, você vai encontrar uma linda pista de patinação no gelo, chamada The Pond. Nossa dica: ela é sempre mais vazia do que a do Central Park e do Rockfeller Center. O acesso à pista é gratuito, você apenas paga para alugar os patins e para comprar um cadeado que vai trancar suas coisas no armário. Se tiver seus próprios patins e cadeado, não paga nada 🙂 A pista de patinação funciona das 8h às 22h, do início de novembro até o final de fevereiro. Como as datas variam um pouco a cada ano, é bom conferir o calendário antes de ir.

The Pond.
The Pond.
Com o atrito, as lâminas dos patins desgastam o gelo. A pista fica cheia de vincos. Por isso, a cada hora, a pista é fechada por alguns minutos, para ser molhada. Com o frio, a água congela, renovando o gelo da pista.
Com o atrito, as lâminas dos patins desgastam o gelo. A pista fica cheia de vincos. Por isso, a cada hora, a pista é fechada por alguns minutos, para ser molhada. Com o frio, a água congela, renovando o gelo da pista.
The Pond.
The Pond.
Ainda tava criando coragem para patinar. A gente foi, mas se você não se animar, vale a pena ficar apenas sentado, rindo dos outros (eu sei, é mal...)
Ainda tava criando coragem para patinar. A gente foi, mas se você não se animar, vale a pena ficar apenas sentado, rindo dos outros (eu sei, é mal…)
Os patins alugados.
Os patins alugados.
Dentro da pista é proibido carregar celulares e câmeras, para evitar acidentes. Mas em um dia estávamos com outros amigos e conseguimos fazer esse registro.
Dentro da pista é proibido carregar celulares e câmeras, para evitar acidentes. Mas em um dia estávamos com outros amigos e conseguimos fazer esse registro.
The Pond, à noite.
The Pond, à noite.
Eu sei que eu falei que a pista é mais vazia, mas essas fotos foram tiradas na véspera do Natal... Então não tem lugar vazio em NYC.
Eu sei que falei que a pista é mais vazia, mas essas fotos foram tiradas na véspera do Natal… Então não tem lugar vazio em NYC.

Se for a época que precede o Natal (final de outubro até início de janeiro), o parque também terá uma gostosa feira de artesanato e comidinhas, chamada The Holiday Shops. São mais de 125 lojas de estilo boutique, que vendem jóias, artigos de decoração, alimentos locais, etc. Vale a pena procurar uma lembrancinha do parque.

The Holiday Shops.
The Holiday Shops.

Além disso, como deu pra ver nas fotos acima, nessa época também há um pinheiro de Natal natural, com cerca de 15 metros, decorado com mais de 30.000 luzes de LED.

A árvore de Natal do Bryant Park.
A árvore de Natal do Bryant Park.
Aqui, o Natal já tinha passado, e acho que o pinheiro já estava ficando meio murcho, hehe.
Aqui, o Natal já tinha passado, e acho que o pinheiro já estava ficando meio murcho, hehe.

Outra “atração” do inverno é o tradicional chocolate quente, vendido no Bryant Park Café.

Hummm, ótimo para espantar o frio.
Hummm, ótimo para espantar o frio.

Também há o “Le Carrousel”, um carrossel francês do século passado, mas ainda em funcionamento. São $3 dólares, para passear em um dos quatorze animais, que giram ao som de músicas de cabaret (????). O carrossel funciona o ano inteiro, mas com horários diferenciados no inverno e verão, então dá uma olhada aqui para se programar.

Le Carrousel.
Le Carrousel.

Quando a neve vai embora, e já é quase primavera, a pista de patinação é retirada e no lugar dela, e surge novamente o gramadão verde do parque. As árvores voltam a se encher de folhas e as flores reaparem (na verdade, são replantadas). Começam a ocorrer várias atividades gratuitas, como aulas de yoga, de dança, de malabarismo, Tai Chi Chuan, campeonatos de xadrez, ping-pong, bocha, minigolfe, etc.

O começo da primavera.
O começo da primavera.
O gramado ainda estava fechado para o público, pois havia sido replantado há pouco tempo.
O gramado ainda estava fechado para o público, pois havia sido replantado há pouco tempo.
Fonte Josephine Shaw Lowell, famosa por ficar totalmente congelada no inverno.
Fonte Josephine Shaw Lowell, famosa por ficar totalmente congelada no inverno.

Nas férias de verão (parte de junho, julho e agosto), ocorre o Bryant Park Summer Film Festival (Festival de Verão de Filmes), um evento gratuito patrocinado pela HBO. Toda segunda-feira às 17h, o parque é transformado em um grande cinema ao ar livre, com um telão de frente para o gramado, onde sentam os telespectadores. Geralmente são exibidos clássicos, filmes dos anos 1950 até 1980. Mas quem liga? Num ambiente desses e sem pagar nada… Eu assisto até “A Bolha Assassina”.

Bryant Park Summer Film Festival. Foto/divulgação: Bryant Park Blog.
Bryant Park Summer Film Festival. Foto/divulgação: Bryant Park Blog.

Além disso, nessa época, várias apresentações gratuitas são patrocinadas por empresas. Encenações da Broadway, orquestras, corais, cantores solos, bandas musicais e assim por diante. Calendário completo aqui.

Bom, deu pra perceber o quanto o Bryant Park faz parte da vida da cidade, não? Foi uma luta da comunidade para reativá-lo e acho que exatamente por isso ele é tão especial. Sonho muito pelo dia que teremos parques bem aproveitados como esse no Brasil. Ok, sem pista de patinação no gelo, mas ainda assim, seguro e cheio de atrações para a população. Esse dia chegará…

Enfim, na minha humilde opinião, se você está programando uma viagem para NYC, você precisa ir o Bryant Park. Se já foi à NYC, e não conheceu o Bryant, não come mosca da próxima vez! Coloca o parque no seu roteiro. No nosso, ele é atração permanente.

Vem conhecer, já!
Vem conhecer, já!

Té a próxima!

Se quiser ver mais posts sobre Nova York, é só clicar aqui.

Também estamos em várias redes sociais, curta e nos siga no: Facebook, Twitter e Instagram. Temos conteúdos exclusivos em cada uma delas, todos os dias! 🙂

Administradora, eterna estudante, cozinheira nas horas vagas e viciada em maquiagem.