Atrações, Atrações Gratuitas, Nova York

Grand Central em Nova York

O fato de Nova York ser conhecida como a grande maçã não é a toa. É uma cidade gigante, cheia de gente e de lugares para visitar. Já falamos da ONU, da Estátua da Liberdade, do MoMa e do High Line Park, só para citar alguns. Se quiser ver a lista completa dos posts sobre Nova York, clica aqui!

Além destes, um dos mais visitados COM CERTEZA é a Grand Central Terminal, estação de trens que fica bem no coração de Manhattan, conectando essa cidade com outras da região, além de ser um das estações de metrô mais movimentadas da cidade. São mais de 21 milhões de visitas por ano.

Uma breve história

No começo dos anos 1800, NY era (e ainda é) um dos principais portos dos Estados Unidos e com isso a demanda do transporte de cargas e passageiros em direção ao porto aumentou exponencialmente. O movimento de trens era tão grande que em 1854, a cidade aprovou uma lei banindo os trens de descerem a ilha abaixo da rua 42. Dali pra baixo, a população era muito grande e os trens estavam atrapalhando a população com o barulho e acidentes, além de trazer poluição.

Main Concourse
Main Concourse

Logo, as empresas de trens precisavam encontrar uma solução para abrigar as cargas que esperavam outros tipos de transporte para descerem Manhattan e chegar ao seu destino. A solução lógica foi construir um grande depósito na rua 42, onde os trens pudessem ainda ir, descarregar e voltar ao seu ponto de partida. Então em 1871, o Grand Central Deposit foi aberto. Quatro anos depois foi aberto o primeiro túnel subterrâneo e o resto é história.

A Grand Central foi depósito até 1901, quando foi renovada e expandida, virando Grand Central Station. Mas ela só virou o quê é hoje em dia em 1913, com a construção das suas estruturas monumentais, tornando-se Grand Central Terminal.

Main Concourse2
Main Concourse2

E ela foi construída para impressionar quem chegava do interior dos Estados Unidos à metrópole que é Nova York.

Como chegar lá?

A pé, partido da Times Square: desça a Broadway até a Rua West 42, siga nesta no sentido leste até chegar na estação. Você passará no caminho pelo Bryant Park, pela Biblioteca Pública e pela Quinta Avenida, onde a rua vira East 42. Dá um pouco mais de 15 minutos de caminhada.

A pé, partindo do canto do Central Park na Quinta Avenida: desça ela até chegar na rua East 42, vire à esquerda e siga nela até chegar a estação. Dá um pouco mais de meia hora de caminhada.

A pé, partido do Empire State Building: Suba a Quinta Avenida até chegar na rua East 42, vire à direita e siga nela até chegar a estação. Dá um pouco mais de 15 minutos de caminhada.

De metrô: Linha Verde 4-5-6, linha Roxa 7, linha Cinza S (sai da Times Square) até a estação Grand Central 42 St.

De ônibus: M42 em qualquer ponto da rua 42 e M1, M2, M3, M4 e Q32 na Quinta Avenida até a esquina com a rua 42.

De carro: Não seja maluco! Mas se você for; o endereço é 89 East 42nd Street.

Pontos principais para ver

Antes de tudo, pegue um mapa aqui e tente entrar pelo acesso principal da rua 42.

Grand Central na 42. Foto de Eric Baetscher
Grand Central na 42. Foto de Eric Baetscher

O primeiro lugar pra ver é a entrada da estação em si, a forma como o nome foi gravado, dando bastante clareza as letras, o relógio e a estátua com deuses gregos, para mostrar que a estação é tão importante pra história quanto eles. Vale ver também a águia representando os Estados Unidos na esquina com a Avenida Vanderbilt.

Detalhe do monumento lá em cima.
Detalhe do monumento lá em cima.

A entrada da rua 42 fica embaixo da passagem da Avenida Park e ao entrar por ela, você sairá no Vanderbilt Hall, um espaço de exposições e exibições, que antigamente era a sala de espera da estação. A grandeza impressiona, principalmente os grandes lustres, cada um pesando mais de uma tonelada. Olhando para frente, você verá a grande bandeira dos Estados Unidos, colocada lá alguns dias após os ataques de 11 de setembro de 2001.

Os lustres no Vanderbilt Hall.
Os lustres no Vanderbilt Hall.

Siga em frente e você estará no Main Concourse, ou sagão principal, é o ponto de partida. Sério, o bicho é grande, são mais de 84 metros de comprimento e 34 metros de altura. Bem no meio, fica o relógio dourado, avaliado em mais de US$ 20 milhões, e o balcão de informações. Na parede atrás de você, estão as cabines para comprar tickets pros trens, city tours e visitas guiadas na própria Grand Central, veja em cima delas os painéis de horários das linhas. Esses painéis são tão representativos da cidade que um deles está em exposição no MoMa. Olhando para cima, você verá o teto com desenhos astronômicos,  Seguindo em frente, ficam as entradas dos primeiros trilhos. É no Main Concourse onde você verá, ao lado direito, a escadaria que dá acesso à Apple Store e o direito a uma visão elevada do saguão. Do lado esquerdo, a escadaria dá acesso aos restaurantes.

Relógio e teto no Main Concourse
Relógio e teto no Main Concourse
Apple Store na Grand Central. Foto do site 9 to Mac.
Apple Store na Grand Central. Foto do site 9 to Mac.
Painéis das informações.
Painéis das informações.

Descendo as rampas perto das escadas, você irá ao subsolo onde há uma praça de alimentação famosa pelos restaurantes e lojas de qualidade, mas com um preço salgado. Além do mais, quase sempre tudo está lotado. Vale a experiência, mas tenha paciência e uma boa linha de crédito.

Tem uma Magnolia Bakery no andar debaixo...
Tem uma Magnolia Bakery no andar debaixo…

Se ao invés de comer, você quiser fazer compras, siga na passagem, ao lado da escada da Apple Store, em direção à Avenida Lexington, porque lá estão as lojas que fazem parte do Grand Central Market. Lugar de presentinhos, cosméticos e comidas orgânicas. E sim, gastando um pouquinho mais do que em outros lugares da cidade.

Uma curiosidade é que o prédio MetLife, um dos mais conhecidos de Nova York, faz parte do complexo da Grand Central, sendo algumas partes da estação embaixo do prédio.

MetLife Building com o Helmsley Building na frente, essa é a vista da Park Avenue.
MetLife Building com o Helmsley Building na frente, essa é a vista da Park Avenue.

Enfim, ir a Nova York e não visitar a Grand Central é loucura! Ela é um pedaço significante da história da cidade e do país, sendo ainda um ponte de ligação entre vários pontos da cidade, sendo realmente o meião da ilha de Manhattan.

Vale a visita em qualquer época do ano!

Quem tinha acabado de comprar um iPhone 6? o/
Quem tinha acabado de comprar um iPhone 6? o/

Té a próxima!

=)

Quer ler um pouco mais sobre Nova York? É só clicar aqui. E acompanhe o blog pelas redes sociais, estamos presentes no Facebook, Instagram e Twitter 🙂

Fotógrafo, barbudo, viciado na Craigslist e wikipedia ambulante.