Bikes - Photo courtesy of Hubway.
Boston, Transporte

Hubway – Aluguel de Bicicletas em Boston

As cidades crescem cada dia mais e a necessidade de transporte público também. Tendo isso em conta, vivemos numa época em que as cidades têm investido cada vez mais em formas alternativas de transporte, como compartilhamento de carros e bicicletas. E Boston não é diferente. Além do ZipCar, o serviço de compartilhamento de carro, a região metropolitana (pero no mucho) de Boston conta com o Hubway, um serviço de bicicletas compartilhadas, feito para ser usado em pequenos trechos.

O Hubway

Em 2007, o governo da cidade começou a pensar num sistema de bicicletas compartilhadas em todo o Centro e nos outros bairros. Logo, perceberam que a idéia não ia pegar se não fosse levada para as cidades conurbadas com Boston. Sommerville, Cambridge e Brookline entraram na proposta.

Bicicletando com o Hubway - Photo courtesy of Hubway
Bicicletando com o Hubway – Photo courtesy of Hubway

Aí em 2011, depois de muito trabalho, o sistema foi lançado com 600 bicicletas em 60 estações. Em 2012, cresceu para 108 estações e 1.000 bicicletas. Em 2013, 130 estações com 1.200 bicicletas e em 2014, 140 estações e 1.300 bicicletas.

E se o programa cresceu é porque teve público. São mais de 2.7 milhões de usos das bicicletas desde o lançamento. É uma prova de que se fizerem, a população usa. Sem demagogia: sem sistema não tem nem como fazer pesquisa com a população.

Direção para as estações na mão, através de app para celular - Photo courtesy of Hubway
Direção para as estações na mão, através de app para celular – Photo courtesy of Hubway

A bicicleta é bem resistente, com câmbio de 3 marchas, luzes dianteiras e traseiras e uma cestinha para carregar coisas leves. Além disso, todo os cabos e a corrente ficam fechadas dentro do corpo da “magrela”, para não causar nenhum problema ao usuário nem sujar ninguém.

Bicicletas sólidas.
Bicicletas sólidas.

Por outro lado, o sistema sofre críticas: (1) pela indisponibilidade no inverno, a qual será parcialmente resolvida esse ano com o teste de manutenção do sistema ativo nos meses frios; e (2) por não existir em East Boston, nos bairros à oeste e sudoeste do Centro, e em cidades também contínguas como Chelsea, Revere, Brighton, Watertown e Quincy.

Por exemplo, nós moramos em Boston no bairro de West Roxbury, já na divisa com outra cidade. Para usarmos as bicicletas teríamos que pegar um ônibus e o metrô até a estação mais próxima. Difícil, né?

Como funciona?

O sistema funciona com assinaturas anuais, mensais e passes avulsos, todos pagos no cartão de crédito. As assinaturas anuais e mensais custam respectivamente US$ 85 e US$20. Nem precisa dizer que se você for usar muito, a anual é bem mais vantajosa.

Os passes estão disponíveis em 2 “sabores”: 72 horas (3 dias) por US$ 12 e 24 horas (um dia) por US$ 6.

Keytag para quem é assinante - Photo courtesy of Hubway
Keytag para quem é assinante – Photo courtesy of Hubway

Em todas as modalidades – assinaturas ou passes avulsos – o uso da bicicleta é grátis nos primeiros 30 minutos, porque, como eu disse, o Hubway é feito para pequenas distâncias. Apesar que eu acho que meia hora em cima de uma bicicleta é tempo para ir bem longe.

Mapa disponível em todas as estações
Mapa disponível em todas as estações

Se você quiser ficar mais tempo com a bicicleta, aí terá que pagar um valor extra: da meia hora inicial até 1h de uso sai US$ 2. De 1h até 1h30min sai US$ 4. Acima disso, sai US$ 8 a cada meia hora de uso. Os assinantes têm desconto total de 25% no uso prolongado. Lembrando sempre, que o sistema só calcula e cobra na hora da devolução da bicicleta. Acima de 24h, é provável que você seja considerado um ladrão de bikes e tenha uma salgada taxa de US$ 1.000 descontada do seu cartão.

As magrelas estacionadas...
As magrelas estacionadas…

Sinceramente, planeje o seu destino tendo em mente as estações do Hubway pelo caminho, parando de meia em meia hora para devolver e pegar outra.

Estações automatizadas
Estações automatizadas

As estações são todas automatizadas, com sistema de uso com telas touch. Se você não fala muito inglês, não se preocupe, é muito difícil ter algum funcionário por perto, eles só aparecem para consertar algo ou para repovoar as baias.

Selecionando a bike - Photo courtesy of Hubway
Selecionando a bike – Photo courtesy of Hubway

Teve algum problema com a bicicleta? Bote ela novamente na baia e aperte o botão vermelho. Vá ao totem, escolha outra e nem se preocupe com aquela. O botão vermelho serve para chamar um técnico para o conserto.

Docks vazios
Docks vazios

Chegou na estação e ela está cheia? Vá ao totem e siga as instruções. Você geralmente ganha mais 15 minutos para chegar a outra estação próxima. E não, não adianta enganar o sistema porque ele sabe se a estação está cheia ou não.

Além disso, em algumas estações já há aluguel de capacetes em testes. E eu recomendo que você alugue ou compre o seu. Boston é uma cidade com um trânsito civilizado, mas segurança nunca é demais.

Vale a pena?

Sim e não.

Se você está visitando a cidade, saiba que quase todas as atrações históricas estão no Centro e Boston não é chamada de “Walking City” à toa. Com paciência, você pode percorrer o Centro todo em cima dos seus pés. Por outro lado, se você é como eu, vai achar que as distâncias são maiores do que o mapa mostra, vai suar e se cansar. E é muito trabalho entrar na estação do metrô. Então, pra vocês (e eu), vale a pena. Compre um passe de 3 dias, retire sua bike em qualquer estação, vá em direção a alguma atração e estacione a bike na estação mais próxima. Ao sair, pegue a bicicleta novamente e dirija-se para a próxima.

Docks de perto
Docks de perto

Vale a pena também se você mora perto do Centro e/ou de alguma estação, afinal vai economizar na gasolina (ou no UBER), além de praticar algum exercício.

Agora, se você é mais preguiçoso que eu, se está chovendo canivete ou ainda é um usuário hardcore de bicicleta e tem a sua top de linha, já sabe que o Hubway não é pra você, né?

Té a próxima!

😉

Fotógrafo, barbudo, viciado na Craigslist e wikipedia ambulante.