O ICA - Institute of Contemporary Arts
Atrações, Boston, Museus

ICA Boston – Arte Contemporânea

Continuando a nossa série pelos museus de Boston, ontem fomos no ICA – Institute of Contemporary Arts, ou seja, o Instituto de Artes Contemporâneas daqui. Na nossa cabeça, ele era uma espécie de MoMa, claro que dentro das proporções da cidade que é grande mas não uma metrópole como Nova York.

De fato, ele é muito, muito bonito, um prédio moderno e que chama atenção. Além disso, está numa região revitalizada com novos prédios espelhados e praças verdes, no sul de Boston, perto da área portuária.

Breve história

O ICA Boston foi fundado em 1936 como Museu de Artes Modernas de Boston, usando espaços cedidos por outros museus de Boston. Para levantar fundos para construção de uma sede própria, decidiram fazer um baile de gala que ficou famoso pela presença de personalidades do mundo das artes como Salvador Dalí, que foi fantasiado de tubarão. Imaginem a sociedade de Boston chocada…

O ICA - Institute of Contemporary Arts
O ICA – Institute of Contemporary Arts

Em 37, eles mudaram para outros dois lugares mas ainda assim nenhum era sede própria. Os fundadores do museu o consideravam como um filho renegado do MoMa. Em 1939, decidiram romper as relações e trocaram o nome para Institute of Modern Art, que ficou assim até 1948, passando então a ser chamado pelo atual ICA.

O museu ficou nessa loucura de mudança quase que todos os anos até 1973, quando foram parar numa antiga delegacia de polícia na Rua Boylston e lá ficaram por mais de 33 anos.

Detalhe do prédio
Detalhe do prédio

Na década de 1990, o ICA decidiu levar a arte para as ruas de Boston e começou a contratar artistas para “povoar” a cidade com novas obras. Assim, o museu ficou mais conhecido para um público mais jovem e com sede de cultura. Em 1999, eles participaram e ganharam um concurso público feito pelo governo de Boston para a construção de um novo centro cultural na região do porto, no sul da cidade.

O novo prédio só ficou pronto em 2006 e tem mais de 6 mil metros quadrados. O prédio é tão bonito que ganhou o prêmio Harleston Park de “a mais bela obra de arquitetura de Boston”.

Lateral do prédio
Lateral do prédio

Como chegar e valores


Pra começo de conversa, ele está numa região mal servida de transporte público. Até tem, mas não é uma maravilha, então sugerimos você ir a pé da região de Downtown Crossing até lá, conhecendo o centro da cidade, as pontes num dos afluentes do Rio Charles e um pouco da região sul de Boston.

A partir do Boston Common: desça a Rua Winter na esquina com a Rua Tremont, na parte sudeste do parque. Siga nela até virar Rua Summer, continue até chegar na Avenida Atlantic, vire à esquerda, seguindo o fluxo desta avenida até o Seaport Boulevard, vire à direita e atravesse a ponte. Vire à esquerda na Rua Sleeper, vire à direita na Avenida Northern e siga em frente. Logo você verá o ICA bem a sua esquerda.

A pé, a partir do Aquário: Siga o fluxo contrário da Avenida Atlantic, virando à esquerda quando sair do aquário, até o Seaport Boulevard, vire à esquerda e atravesse a ponte. Vire à esquerda na Rua Sleeper, vire à direita na Avenida Northern e siga em frente. Logo você verá o ICA bem a sua esquerda.

Um pequeno protesto na entrada do museu
Um pequeno protesto na entrada do museu

A pé, a partir do Faneuil Hall: Saia dos mercados na parte de trás, no sentido leste em direção ao mar. Vá até a Avenida Atlantic, siga o fluxo contrário da Avenida até o Seaport Boulevard, vire à esquerda e atravesse a ponte. Vire à esquerda na Rua Sleeper, vire à direita na Avenida Northern e siga em frente. Logo você verá o ICA bem a sua esquerda.

De metrô: Linha Vermelha até South Station, de lá pegue o ônibus (que a cidade conta como metrô) SL1 ou o SL2, até o ponto Courthouse. Siga na direção norte, usando a passagem ao lado da obra (atualmente). Logo você verá o ICA bem a sua frente.

De carro: Está disposto a pagar 30 dólares por hora num dos estacionamentos próximos? Perfeito! Porque na região quase não tem vaga de rua. O endereço do ICA é 100 Northern Avenue.

Se puder, doe
Se puder, doe

O museu funciona de terça à domingo, das 10 da manhã até às 17h. As exceções de horário são quintas e sextas que o ICA funciona até às 21h. Além disso, não abre nos feriados.

A entrada para adultos custa US$ 15 e para menores de 17 anos é gratuita.

Elevador de vidro e quintas gratuitas
Elevador de vidro e quintas gratuitas

Sinceramente, não gosto de dar esse tipo de dica mas vale mais a pena esperar quinta-feira. Das 17h às 21h nesse dia, a entrada é gratuita. E no verão, sempre tem um showzinho rolando no deck, e é quase certo que você vai parar para ouvir a banda e pelo menos tomar uma água. Pronto, você já pagou seu ingresso nesse dia só com isso.

Visitando o ICA

Como já falamos lá no começo do post, a região é muito bonita, com o deck do Harborwalk bem nas margens do Rio Charles, prédios novos, áreas verdes e pra completar a vista do aeroporto e dos barcos. O prédio chama atenção pelo formato inusitado, proeminente em cima do deck. Mas vou falar pra vocês que eu achava que o museu era maior.

Vista da região
Vista da região

Ao entrar na porta, à direita você verá uma parede gigante, que é o primeiro espaço de exposição do museu. O primeiro andar é onde ficam a bilheteria, a lojinha do ICA, um espaço para atividades especialmente para crianças, uma entrada para o espaço de arquibancadas no deck e o lobby de vidro onde acontecem saraus.

Paredão
Paredão
Espaço do lobby e a parede com arte
Espaço do lobby e a parede com arte
Lojinha
Lojinha

Para entrar no museu própriamente dito, vá na bilheteria, pegue o seu mapa (e o aúdio-guia gratuito) e dirija-se ao elevador. E ele é quase uma obra de arte, todo de vidro e com bastante espaço interno.

Bilheteria e lojinha ao fundo
Bilheteria e lojinha ao fundo

No segundo andar, há um auditório para performances, filmes e outros apresentações. Fique atento na programação aqui.

Escadaria com iluminação inusitada
Escadaria com iluminação inusitada

No terceiro andar, há um espaço para curso de mídias modernas: fotografia, cinema, produção musical, dj’s e design de moda.

Arquibancadas no deck
Arquibancadas no deck

Já a parte de exposições está localizada no quarto andar, saindo ou à direita ou à esquerda do elevador. E aqui, se você já foi no MoMa, começa a decepção. O espaço é pequeno. São 3 galerias que você percorre em 10 minutos cada em ritmo normal e meia hora em ritmo de viciado em museu. Para nosso azar, uma das galerias estava fechada, justo a que conta com as obras permanentes do acervo.

Obras em exposição
Obras em exposição
Obras em exposição
Obras em exposição
Obras em exposição
Obras em exposição
Obras em exposição
Obras em exposição

Por outro lado, os cantos do prédio, que é quase todo espelhado, são excepcionais. O John Hancock Founders Gallery é um corredor que proporciona mais uma visão das belezas naturais ao redor do ICA. Dali dá pra ver boa parte dos monumentos de Boston e é um ótimo lugar para sentar nos sofás e relaxar.

John Hancock Founders Gallery
John Hancock Founders Gallery
Detalhe do vidro
Detalhe do vidro

Já o Poss Family Mediatheque é um espaço para aprendizagem sobre as obras expostas e a história do museu. Desça as escadas e você terá mais uma visão de fora. A sala tem formato de arquibancada, com bancos e almofadas, bastante confortáveis.

Mediatheque
Mediatheque
Podia ser uma tela mas é só a paisagem mesmo. ;)
Podia ser uma tela mas é só a paisagem mesmo. 😉
O Mediatheque visto de fora do prédio
O Mediatheque visto de fora do prédio

E, é isso. Um prédio moderno, imponente, mas que deixa um pouco a desejar na quantidade de obras e alas de exposição. Por isso, sugerimos que você aproveite a quinta gratuita, assim não dá aquela sensação de “paguei 15 dólares só para isso?”. A não ser que tenha alguma exposição especial em exibição. De qualquer maneira, não deixe de conhecer a região, pelas fotos deu pra ver o quanto é bonito, né?

Té a próxima!

=)

Confira mais posts sobre a cidade de Boston aqui 🙂

E siga a gente também nas redes sociais: Instagram, Twitter e Facebook. Te esperamos por lá!

Fotógrafo, barbudo, viciado na Craigslist e wikipedia ambulante.