Boston, Compras

Mercado de pulgas em Boston

Quando entrei pela primeira vez no SoWa Vintage Market, as caixas de som quase explodiam ao som de Johnny Cash. Já entrei sorridente. Mas a música não foi a única coisa que me agradou. Já tinha lido muitas vezes sobre esse mercado de pulgas, que fica no bairro mais artístico de Boston. Estava há semanas imaginando que tranqueiras eu poderia encontrar por lá.

Quem já assistiu o programa “Acumuladores” (Hoarders em inglês) sabe que americanos são peritos em guardar coisas – muitas coisas. Então só conseguia pensar em quantos objetos exóticos, antigos e raros estariam expostos (e à venda) nesse mercado. Mas antes de entrar em detalhes, quero falar rapidinho da área, que já se tornou uma das minhas preferidas na cidade.

SoWa

O nome SoWa é uma sigla para South of Washington, que nada mais é que a região que fica ao sul da Washington Street, uma das principais ruas de Boston.

Hoje em dia, a área é conhecida por suas galerias de arte, restaurantes, lojas vintages e Open Markets (mercados abertos/feiras de rua). Mas nem sempre foi assim. No século XIX, o SoWa era um distrito industrial, que produzia principalmente tijolos, pianos, produtos enlatados e sapatos (que variedade, não?). Lá também ficava a estação central de energia de toda a região nordeste dos Estados Unidos. Na época, ela era a maior do mundo. Então imaginem uma área cheia de chaminés industriais, torres de energia e fiação para todos os lados.

Com o passar do tempo e o crescimento da cidade, o Centro foi sendo revitalizado e foi ficando cada vez mais caro manter um prédio nessa região. As indústrias aos poucos mudaram para subúrbios e o distrito de SoWa ficou meio sem utilidade. Até que, a partir dos anos 2000, empresários viram a oportunidade de fazer dinheiro por lá. A sigla SoWa foi adotada nessa época (antes era apenas mais uma parte do bairro South End).

As más línguas dizem que a ideia da revitalização foi imitada da área chamada de SoHo, em Nova York. O SoHo também é um distrito industrial que virou uma área descolada, cheia de galerias de arte e lojas de vanguarda. E o nome tem a mesma formação – South of Houston, área ao sul da rua Houston. E, obviamente, o SoHo de NYC surgiu algumas décadas antes do SoWa de Boston.

Eu, sinceramente, não vejo problema da “cópia”, afinal ideias boas, principalmente quando se fala em utilização de espaços públicos/coletivos, estão aí para serem copiadas, não é? O nome é que não precisava ser tão igual. Mas enfim… O nosso SoWa também é bem cool!

A principal rua do SoWa é a Harrison Avenue. E a maior parte das atrações fica na altura dos números 450-540. No geral, as galerias de arte e lojas abrem todos os dias. Mas o distrito fica movimentado mesmo nos domingos, quando acontece o SoWa Sundays, um evento que une diferentes feiras ao ar livre.

Mapa das feiras do SoWa Sundays.
Mapa das feiras do SoWa Sundays.

São elas: (1) South End Open Market, feira de artes e artesanato; (2) SoWa Food Truck Court, praça de alimentação com mais de 25 foodtrucks disponíveis, (3) SoWa Farmers Market, feira de produtos frescos, lácteos, carnes e ervas de fazendas locais, e por fim o (4) SoWa Vintage Market.

Como nem tudo são flores, no inverno rigoroso de Boston não rola manter uma programação semanal ao ar livre ⛄ Então, os eventos de 1 a 3 na lista aí de cima, acontecem apenas de maio a outubro. Agora no inverno, o único que continua aberto todos os domingos é o Vintage Market, pois é instalado em um local fechado.

E é ele que quero mostrar hoje.

SoWa Vintage Market

No subsolo humildão de uma antiga fábrica de tijolos, fica o SoWa Vintage Market. Ele funciona todos os domingos, das 10h às 16h. Não é um espaço muito grande, mas ainda assim tem bastante coisa à venda por lá.

Entrada do Vintage Market
Entrada do Vintage Market
Escadinha cabulosa pra chegar lá
Escadinha cabulosa pra chegar lá

Não há um número exato de vendedores, uma vez que eles podem variar a cada semana. Mas pelo que contei, deve ter na faixa de 20 stands diferentes.

Todos os produtos comercializados são antigos e usados. Há roupas, bolsas, calçados, relógios, óculos, louças, utensílios domésticos, móveis, quadros, mapas, discos, brinquedos, artigos esportivos e decoração em geral. É aquele tipo de lugar onde você encontra de tudo. Muita coisa diferente, algumas lindas e outras bem bizarras! As fotos falam por si só (pode clicar para aumentar) 😊

Eu não comprei nada. Adoro olhar e vasculhar mas dificilmente compro alguma coisa vintage. Minha única perdição são câmeras fotográficas antigas 📷, mas não vi nenhuma (melhor assim! 😂).

Mais algumas considerações: se você pensa que o lugar deve ter cheiro de coisa velha ou roupa guardada, ledo engano. O ambiente é cheirosinho, parece que tem um incenso suave. O som também não é tão alto quanto falei no início do post. Tirei uma licença poética pra dar ênfase à música que era boa. Na realidade, ela não é baixa a ponto que não se possa ouvir, nem tão alta que não se possa conversar. E a seleção de artistas tava ótema!

Por fim, para quem é meio neurótico com banheiros 🚾 (vide post do Otávio aqui), fiquem tranquilos que lá dentro tem alguns disponíveis. E nas redondezas, tem cafés e galerias de arte que também ficam abertos mesmo agora no inverno.

Ah! E bem na frente do Vintage Market, há uma lojinha simpática com acessórios de costura, e acho que quase tudo é vintage. Já pensou? Lãs, linhas, botões e agulhas vindos direto dos anos 1980? Sim! Uma pena que são caros. Mas vale a visita.

Espero que tenham curtido conhecer um pouco do Vintage Market. Voltaremos a falar do SoWa, provavelmente quando o inverno acabar e a programação dos domingos voltar à topo vapor.

Té a próxima!

Pra acompanhar o Vintage Market pelas redes sociais: Site, Facebook, Twitter, Instagram.

Administradora, eterna estudante, cozinheira nas horas vagas e viciada em maquiagem.