Atrações, Boston, Esportes, Tours

Tour no Fenway Park – A casa do Boston Red Sox

Oi pessoal! Como vocês já sabem, semana passada estávamos com visita por aqui. O Felipe Von Zuben do Patriotas, o maior fã-clube do New England Patriots, foi o nosso hóspede, e aí que resolvemos fazer uma das visitas mais pedidas por nossos leitores do blog e por todos os fãs de esportes.

Fachada histórica do Fenway Park
Fachada histórica do Fenway Park

Fomos conhecer a casa do time de baseball Boston Red Sox, o Fenway Park. Nós já fizemos um post completo sobre o estádio e um pouco da sua história, e você pode conferir clicando no link na primeira linha desse parágrafo 🙂

Agora vamos focar no tour em si, mostrando cada momento dessa visita guiada ao estádio, ok?

Horários e preços

O tour é realizado de hora em hora a partir das 09h da manhã até 17h. Em dia de jogo, o último horário é 3h antes do início da partida, ou seja, se o jogo começa às 19h, o último horário será 16h. Isso, claro, se não tiver nenhum outro evento como show e tal.

Custa US$ 18 para adultos e US$ 12 para crianças, adolescentes e estudantes. Em alguns dias, pode custar $25 para adultos mas você receberá um brinde ao final, ou seja, vale à pena.

Yawkey Way em dia de jogo
Yawkey Way em dia de jogo

Para comprar, você pode reservar online pelo site (clique aqui) com um dia de antecedência, ou correr o risco e comprar na hora, antes do tour que você quiser realizar. Os ingressos são vendidos na bilheteria D (Gate D Ticket Booth), na esquina das ruas Van Ness e Yawkey Way.

O tour no Fenway Park

O tour propriamente dito começa na Red Sox Team Store, que fica na rua Yawkey Way, diagonalmente à esquerda das bilheterias, atravessando a rua. E já começa ali pra te dar vontade de comprar, principalmente se você chegar atrasado ou muito antes e tiver que esperar pelo próximo tour.

A nossa dica é comprar o que você tiver que comprar se você estiver fazendo os dois últimos tours do dia. Por que isso? Porque a loja fecha pontualmente e não tem choro que faça aplacar a sua vontade de comprar algo após entrar no estádio.

Lá dentro da loja, a guia dá as primeiras instruções: vamos atravessar a rua, fazer fila indiana e passar na segurança. Eles fazem uma contagem mequetrefe dos ingressos com todo mundo segurando ele no alto. A passada na revista é o tradicional de aeroporto, menos tirar cinto e sapatos. Ou seja, se tiver mochila ou bolsa grande, esteja preparado para ter que abri-la.

Indo passar no security check
Indo passar no security check

Passando o security check, somos arrebanhados novamente e levados à esquerda para irmos ao vestiário do time adversário. Uma porta de entrada que é a mesma de saída, logo muita fila e um pouco de atropelo. O vestiário é uma grande sala com armários, sofás e placas de aviso e do jogo. E só. Aqui vai um comentário meu: não queria ver um vestiário vazio e sem nada. Queria ver o vestiário do Red Sox com a placa dos jogadores.

Guia contando um pouco da história do Fenway Park
Guia contando um pouco da história do Fenway Park
Vestiário do time adversário
Vestiário do time adversário

Saindo dali, somos levados à parte interna do estádio, onde ficam as arquibancadas e o campo lá embaixo. Tempo para as primeiras fotos (fuja da equipe de foto terceirizada – fotos a $1.000.000.000.000 não estão no nosso orçamento) e logo as guias nos pedem para sentarmos numa arquibancada à esquerda do campo, bem próximo às paredes laterais.

Túnel para parte interna
Túnel para parte interna
Vista que você tem ao sair do túnel
Vista que você tem ao sair do túnel

Essa arquibancada é importante porque são as únicas com bancos originais da época de construção do estádio, ainda de madeira (e eu achei mais confortáveis que as de plástico). A guia dá mais algumas informações sobre o começo do time, do estádio, jogadores famosos e começa a explicação sobre a nossa próxima parada, o paredão verde monstruoso, o Green Monster (Monstaaah), que está ao nosso lado.

Guia explicando, nós sentados nas arquibancadas de madeira e, ao lado esquerdo, o Green Monster
Guia explicando, nós sentados nas arquibancadas de madeira e, ao lado esquerdo, o Green Monster
Green Monstah
Green Monstah

Logo, somos levados para lá e aí meu amigo, minha amiga, a visão é de cinema. São, com certeza, os melhores lugares para assistir aos jogos. E, claro, os preços são de chorar diamantes, começando em torno de $400 e podendo chegar a mais de $4000, dependendo do time, da previsão do tempo e da época do ano.

Vista do campo, à partir do Green Monster
Vista do campo, à partir do Green Monster

Aproveitando que já estamos num ponto alto, somos levado a um ponto mais alto: o último anel das arquibancadas, pra ser mais preciso, praticamente em cima do local das jogadas. Dali, você também tem uma visão completa do estádio e, principalmente, das redondezas dele. Parada rápida, explicação sobre os postes amarelos (foul poles) que delimitam se a jogada é valida ou não.

Fomos levados até o último anel de cadeiras vermelhas
Fomos levados até o último anel de cadeiras vermelhas
No caminho, paramos pra ver a horta do estádio
No caminho, paramos pra ver a horta do estádio
Essa é a vista lá de cima, ao fundo o John Hancock Tower e o Prudential Center
Essa é a vista lá de cima, ao fundo o John Hancock Tower e o Prudential Center

Cruzamos então o corredor por trás das cabines de imprensa e chegamos nessa área exclusiva, porque além de dar acesso ao pessoal da mídia, também dá acesso à área de camarotes. Nas paredes, muitas fotos de conquistas e matérias positivas sobre o Red Sox, como se o time estivesse incentivando os jornalistas a escreverem bem sobre esse time que representa tanto para cidade. As cabines são envidraçadas e climatizadas, além de contarem com refeitório próprio e estrutura exclusiva de atendimento por parte dos funcionários do Red Sox.

As cabines da imprensa são essas à direita, envidraçadas e climatizadas
As cabines da imprensa são essas à direita, envidraçadas e climatizadas

Ali, a guia nos explicou sobre a função mais difícil de todas da equipe de trabalhadores da casa: o mudador de placar. São 3 funcionários (o chefe e dois ajudantes) que acompanham o jogo por baixo do Green Monster, mudando manualmente o resultado em campo e o resultados outros jogos da liga. É quase como trabalhar num submarino mas sem ventilação e nem banheiro. Mas eles adoram! Tanto é que é a mesma equipe desde 1990!

Saindo das cabines, descemos às escadas, passamos pela frente do bar da Budweiser e chegamos num corredor lateral, onde a guia nos aponta uma única cadeira vermelha, solitária, perdida, num mar de cadeiras verdes. Ela é especial porque marca o ponto onde a bola foi rebatida mais longe em toda a história do Fenway Park. Em 9 de Junho de 1946, Ted Williams fez a bola viajar 153 metros e acertar um torcedor. O jogador mais famoso do time hoje em dia, David Ortiz (Big Papi) conseguiu a façanha de acertar na mesma seção do estádio, mas somente 25 filas de cadeiras abaixo da vermelha, cerca de 135 metros no total.

E, finalmente, chegamos à última parte do tour: o museu da história do Red Sox. Ali, você verá muitos artigos que tem um valor inestimável, como bolas, bastões, camisetas autografadas, luvas e taças. É muita coisa! Além disso, se você der sorte (não foi o nosso caso), o bar pode estar aberto e aí, não há lugar melhor para apreciar duas paixões dos bostonianos: Red Sox e Cerveja.

Nossa opinião

Caro, social media/assessor de imprensa do Red Sox, não nos entenda mal, nós adoramos o tour e, que fique claro, é um passeio imperdível na cidade e recomendamos que todos façam!

Mas… É caro. Sinceramente, por $18 eu esperava mais: visitar o vestiário do time, dar uma andadinha na beirada do campo, segurar um bastão, arremessar um bola, olhar o interior do Green Monster e a dificuldade que é trabalhar lá, ganhar um adesivo ou algo do tipo. Aí, vamos e viemos, prefiro pagar $20 e assistir o jogo, chegando cedo e passeando por conta própria no estádio até onde me barrarem de entrar.

Boston Strong
Boston Strong

Os guias são super simpáticos e eu entendo que o Baseball é sagrado para os americanos e, por isso, eles manjam do assunto. Para nós, eles podiam dar uma diminuída no ritmo e dar um explicação melhor.

A saída do tour é do lado oposto ao da entrada, logo, você terá que dar a volta em todo o estádio por fora para voltar na loja. E lembra que eu falei lá no início sobre o horário dela? Fizemos o último tour e, ao sair, a loja já estava fechada. Podia ao menos ser meia-hora após o último tour né? Nós fizeram ficar empolgados com o time e depois frustrados ao sair de mãos abanando.

O estádio mais amado dos EUA
O estádio mais amado dos EUA

No mais, tá visitando a cidade? Vá ao estádio, faça o tour e, se possível, vá ao jogo! Já foi lá? Deixa um comentário aqui embaixo! E siga o Roteiros e Relatos também nas outras redes sociais: InstagramYoutubeTwitterSnapchat e Facebook. Em todas elas, temos conteúdo novo e exclusivo toda semana.

Té a próxima!

Fotógrafo, barbudo, viciado na Craigslist e wikipedia ambulante.

  • Ou seja, já tá expert nos esportes daqui! Já fomos duas vezes no TD Garden assistir o Celtics e duas vezes no Red Sox mas ainda está faltando ir no Patriots e no Bruins, que ainda não fomos por $_$, estamos aqui economizando pra ir. 😉

  • Isso é uma coisa que eu queria mas não deu pra a gente fazer em Boston, conhecer a casa do Bruins, Patriots e Red Sox.

    Todos esses esportes são beeeeem novos pra mim, mas pelo menos aqui em Nola eu já consegui ir à um jogo de futebol americano dos Saints, no Superdome, e depois que voltamos da viagem eu já assisti a duas partidas de baseball dos Zephyrs – time da minor league daqui.

    Dessa lista só ficou faltando ir à um jogo de hockey, pra me sentir no super patos kkkkkkk =P

  • Pingback: Onde se hospedar em Boston: Hostel/albergue – Roteiros e Relatos()